7 Livros ilustrados sobre Monstros | Aletria monstro das cores, anna llenas, aletria, lançamento, livro infantil, comprar livro infantil, preço livro infantil, literatura infantil, livro ilustrado, 7 livros ilustrados sobre monstros, monstros

7 Livros ilustrados sobre Monstros

Publicado: 09/07/2018

Muitas vezes assustadores, outras tantas uns amores, os monstros povoam nosso imaginário e as páginas dos livros infantis desde sempre! No último mês, o famoso e esperado Monstro das Cores, de Anna Llenas, chegou ao Brasil em uma edição lindíssima com tradução de Rosana Mont`Alverne. Agora os pequenos leitores da Aletria já podem organizar e entender melhor suas emoções na companhia desse monstrinho que já conquistou uma legião de fãs pelo mundo afora. Seguindo na empolgação do lançamento brasileiro de O Monstro das Cores, o Blog da Aletria preparou uma lista de 7 livros ilustrados sobre Monstros. Lá vai! 


1) Enrique e os monstros





O despertador, o banho, a janta podem virar pequenos monstros diários. Nos resta transformá-los em seres inofensivos, e até bem engraçados. Nada como reconstruir esses monstros, com grandes bocas engraçadas, olhos esbugalhados e corpos disformes para conversar sobre eles e enfrentá-los. É isso que Enrique faz com seus monstros. Seus monstros são inofensivos (ou será que ele é quem os fez ser assim?). Na obra, o diálogo entre as colagens da artista plástica brasileira Ana Rocha e a palavra da autora espanhola Beatriz Montero produziu cada monstro mais raro que o outro e ao final, o pequeno leitor poderá também montar o seu, já que pedaços de monstros foram deixados para recortar e colar!



2) A visita dos dez monstrinhos





Veio um, paratiratibum! 
E dois vieram depois. 
Chegaram três de uma vez. 
E quatro entraram no quarto. 


A Companhia das Letrinhas assim descreve a obra: "Um livro para as crianças que estão aprendendo os números, as letras, e que serve também para aqueles que precisam aprender a lidar com algum monstro."


No melhor estilo Angela Lago, com humor, traços simples e marcantes, brincadeiras entre texto e imagem e rimas sempre presentes, construídas na mesma toada em forma de lengalenga. Bom de ler cantando, anunciando a chegada de cada novo monstrinho travesso que vem atormentar a vida de nosso protagonista com pequenas malvadezas, seja pulando no omelete, seja roubando um biscoito. 




3) O monstro das cores




Esse monstrinho é um monstrinho diferente, nem sempre é malvado, só às vezes. Ele também fica doce, alegre, triste, com raiva, até apaixonado! Assim como todos nós, esse pequeno monstro é cheio de sentimentos, tão cheio que às vezes ele faz uma bagunça danada e não consegue entender suas emoções. E nada melhor que organizar nossas emoções para conseguir falar sobre elas, certo? A história do Monstro das Cores estimula as crianças a identificarem as diferentes emoções que sentem, como alegria, tristeza, raiva, medo e calma, através de cores. Por sua história cativante, seu texto delicado e as lindas ilustrações, repleto de colagens com diferentes materiais, O monstro das cores tornou-se best-seller internacional e livro de cabeceira de milhares de famílias e educadores. 



4) Monstro Rosa




"Antes de nascer, ele já era diferente dos outros.

Era cor de rosa, e os outros eram brancos.

Ele sempre ria de qualquer bobagem,

enquanto os outros não abriam o bico."


Assim começa "Monstro Rosa", uma obra em defesa da diversidade. Monstro Rosa era um estranho no ninho e acaba sendo rejeitado pelos outros seres desse mundo, onde tudo era branco, do mesmo tamanho, do mesmo jeitinho, uma monotonia! Assim, sem se abalar e sem perder seu bom-humor, Monstro Rosa, à la Patinho Feio (Hans Christian Andersen) e Adelaide (Tomi Ungerer), parte em uma jornada de auto-descoberta em busca de um lugar onde seu tamanho, sua cor e seu jeitão, só dele, não sejam motivos de exclusão. 


A autora-ilustradora Olga de Dios, com traços simples que muitas vezes lembram esboços à caneta, transforma garatujas de diferentes formas e cores em criaturinhas divertidíssimas.



5) Onde Vivem os Monstros 



O super clássico de Sendak sobre a zanga infantil não podia faltar em nossa lista. Na obra, escrita em 1963, Sendak narra a infância e seus constantes conflitos entre liberdade e obediência. A história começa com o protagonista, o menino Max, fazendo uma grande malcriação e indo pro castigo. Do castigo o menino viaja para outro mundo, um mundo onde vivem enormes monstros e onde ele pode mandar e desmandar. 


Já disse Alan Powers, estudioso da literatura infantil, "Maurice Sendak mudou o status dos livros ilustrados com Onde Vivem os Monstros", marcando um novo momento na história dos livros para crianças. A partir daí, a infância na literatura passou a ser um assunto extremamente sério. 




6) Como reconhecer um monstro

 

foto: A Cigarra e a formiga.


Um pequeno e divertido homenzinho se depara com uma enorme criatura. Seria um monstro? Daí pra frente, página a página, o homenzinho vai passeando pelas partes do corpo gigante dessa criatura e dando uma espécie de aula prática sobre como reconhecer um monstro. Leitores e personagem seguem checando: Tem orelhas peludas? Oito olhos amarelos? Duras escamas? O nariz é uma enorme beringela? A narrativa do autor e ilustrador, Gustavo Roldán, constrói um clima de suspense que segue aumentando na medida que o homenzinho continua sua verificação. E o final? Cheio de humor.  



7) Petit, o Monstro 




Ao nos depararmos com esse livro a primeira coisa que pensamos é "Cadê o monstro?". O monstro Petit é esse menino simpático? Deve ser um danadinho! 


Ao longo da narrativa, O autor-ilustrador Isol vai nos apresentando Petit e nós leitores  vamos descobrindo que esse pequeno monstro é bem parecido com todos nós. O monstro Petit ora faz malvadezas e traquinagens, ora faz coisas boas. Petit é um menino que está crescendo e descobrindo, com certa dificuldade, o que é certo e o que é errado. 


As imagens são lindas, no melhor estilo Isol, parecem simples à primeira vista, mas revelam uma destreza entre "linhas inquietas", manchas coloridas e composições de laranjas e azuis.  

Voltar