Como os livros artesanais estão revolucionando a sala de aula | Aletria

Como os livros artesanais estão revolucionando a sala de aula

Publicado:

Livro-matraca, livro-cenário, livro-teatro de sombras: é com esses personagens peculiares que a pesquisadora Ana Paula Mathias de Paiva pretende mostrar que criatividade também é coisa de adulto e pode andar lado a lado com o dia a dia do professor

Imagem: Arquivo Ana Paula Paiva.


Na oficina “Livro artesanal para adultos”, Ana Paula irá desenvolver atividades para exercitar o pensamento criativo e a expressão gráfica através de técnicas de dobradura, efeitos 3D, ilustração e encadernação. O público-alvo são profissionais da educação, artistas e interessados em geral.

 

Ana Paula Paiva é autora dos Manuais do Professor dos livros da Aletria e parecerista da editora desde 2018. Educadora e comunicadora, ela viu nas oficinas uma oportunidade para aliar seus conhecimentos em produção editorial artística à vasta experiência em mediação de leitura para professores.


Para criar livros, Ana Paula parte de um princípio simples: o ser humano é feito de histórias. Contamos histórias e nossos objetos contam também. Então, antes de criar um livro, o participante precisará refletir: que história quero contar?



Livro-brinquedo O que é? Adivinhações populares. Imagem: Arquivo Ana Paula Paiva.

 

Através da mediação, os participantes serão incentivados a não só elegerem o que têm a dizer mas também qual a melhor forma de fazê-lo. E para isso abre-se um leque de possibilidades gráficas, que vão da ilustração bidimensional aos efeitos 3D que as dobraduras pop-up proporcionam, passando pela encadernação costurada e aquela ideal para o trabalho com poucos materiais – feita apenas com técnicas de dobra e recorte.

 


Na criação dos livros artesanais, o universo de ferramentas possíveis é grande, e a complexidade é variável. É preciso ter em mente qual a finalidade do projeto para dispor dos recursos da melhor forma possível – tanto de materiais quanto de tempo e equipe. Imagem: Ellen Lupton, A produção de um livro independente, p. 126-127).

 

Alunos como protagonistas

 

Em sala de aula, o livro artesanal é uma poderosa ferramenta que pode ser usada tanto no desenvolvimento das aulas quanto na formação de portfólio da turma para avaliação continuada. Além de estimular as leituras sensorial e visual, o livro feito pelo próprio aluno valoriza sua posição de protagonista no processo de aprendizagem. Para Ana Paula, “não precisamos criar nada cristalizado, dando espaço a algo vivo, íntimo, real para os alunos, algo que desenvolve competências e habilidades, sociabilidade e o entendimento acerca das linguagens, uma vez que o aluno entende o motivo de ser daquilo tudo”.1

 

A professora Mara Mansani, correspondente do Nova Escola que escolheu trabalhar com portfólios em suas turmas de Educação Infantil, aponta como a ferramenta é produtiva na hora de avaliar: “Ao longo do processo de alfabetização, vou mostrando ao aluno sua evolução. Eles ficam tão surpresos e felizes quando percebem o quanto avançaram e o quanto estão aprendendo! Muitas vezes, negam suas primeiras escritas, dizendo: ‘Não fui eu que escrevi isso!’. Outros dizem: ‘Nossa, eu escrevia tudo errado’. A alegria e o sorriso são inevitáveis. Emocionante!”.



Um portfólio pode ter formas tão diversas quanto permitir a imaginação e disponibilidade da turma. Imagem: Arquivo Ana Paula Paiva.

 

Já a coordenadora Adriana Orlando Fernandes, do Colégio Imaculada Conceição de Barbacena, enxergou no livro artesanal uma oportunidade para a escola estreitar laços com a família dos alunos. No segundo semestre de 2018, os alunos do Fundamental criaram livros sobre memória afetiva a partir de estudo do livro O fantástico arroz de Filomena. O que poderia ser uma aula monótona de leitura tornou-se uma mediação prazerosa para a turma e para a professora, que colocou na mesma receita literatura, escrita, artes gráficas e gastronomia, dando origem ao livro artesanal Sabores e memórias.

 

Apresentação do livro artesanal Sabores e memórias, no CIC Barbacena. Imagem: Adriana Orlando Fernandes.



A oficina Livro artesanal para adultos acontece nos dias 23 e 24 de janeiro, no Instituto Cultural Aletria, com valor de R$ 200 (material, certificado, lanche e brinde Aletria inclusos).

 

As inscrições podem ser feitas através do (31) 3296-7903, (31) 9 8303-4728 (WhatsApp) ou aletria@aletria.com.br. A oficina faz parte do Festival de Verão, que conta ainda com formações de contação de histórias, arteterapia, leitura e escrita e personagens infanto-juvenis e suas simbologias. Para saber mais, acesse: Festival de Verão Aletria.

 

  

Sobre a professora

Ana Paula Paiva é doutora em Educação pela FAE/UFMG (2013), possui graduação em Comunicação Social pela UFRJ/ECO (1998) e mestrado em Comunicação Social pela FAFICH/UFMG (2002). Coordenadora adjunta do PNBE 2015 (Ensino Fundamental e Ensino Médio). Coordenadora do segmento Educação Infantil – PNBE - 2014 (FNDE/MEC), realizado em 2013 sob coordenação geral da Profª Drª Aparecida Paiva. Realizou o planejamento editorial e preparação de textos dos Guias do MEC PNBE 2014 (educação infantil, ensino fundamental e EJA) e 2015 (ensino fundamental e ensino médio/PNBE). Em 2014 também atuou como parecerista do PNAIC na seleção de livros e produção de texto dos Guias PNAIC 2014: "Literatura na hora certa" (edição 2015). Tem experiência na área de Produção Editorial Artística (oficinas artesanais de produção de livros). Atualmente trabalha com mediação de leitura, consultoria editorial-literária, suplementos literários (PNLD) e aperfeiçoamento de professores.

---------

1 Em Blog das Letrinhas, "Escola também é lugar de fazer livros" (2018).

Voltar