lelis, ilustração, aquarela, buriti grande, Aletria, livro infantil, lançamento, literatura, Centro de Referência da Juventude, Biblioteca Pública infantil e Juvenil, Praça da Estação, evento, programação cultural, oficinas, Aletria, editora, cultura, arte, Belo Horizonte, programação cultural, crianças, gratuito,

Conversa com Lelis | Ilustrador de Buriti Grande

Publicado: 07/06/2017

Dessa vez a Conversa com o Ilustrador de hoje foi com o Lelis, dono de um traço único que já lhe rendeu muitos prêmios e fãs! Conhecido por suas belíssimas aquarelas, foi Lelis quem ilustrou o mais novo lançamento da Aletria: Buriti Grande! 

E anota bem essa: no próximo sábado, dia 10, às 10h, o ilustrador irá ministrar uma oficina de aquarela para crianças durante o lançamento de Buriti Grande! O Evento será na Biblioteca Pública Infantil e Juvenil, no Centro de Referência da Juventude - Praça da Estação/BH. Além da oficina com o grande Lelis, a programação está recheada de delícias, incluindo comidinhas da roça, sorteios e contação de histórias com a maravilhosa da Alessandra Visentin. O evento é gratuito, é só se achegar. Repare o recado que Lelis mandou: 


Acima, ilustração e texto de Lelis.

Enquanto o sábado não chega para você prosear com o ilustrador Lelis e com a autora Marismar Borém, o Blog da Aletria já vai adiantando a prosa. Confira nossa entrevista e até mais ver no sábado. :)



1) Lelis, no livro Buriti Grande a autora nos conta lembranças de sua infância. Você, assim como Marismar Borém, também é de Montes Claros! Você se reconheceu ao ler as memórias de infância da protagonista? Tem algum relato do livro que se assemelha às suas lembranças? Quais?

Me reconheci em todo o livro. Tudo que eles ali fizeram eu já fiz. Uma das coisas que fazíamos era descer o rio usando boia de caminhão. Era uma delícia. Outras coisas como nos sentarmos à beira da fogueira, subir em pés de frutas (jabuticaba, cajá, manga) eram atividades corriqueiras para todos nós nos meus tempos de infância.

Detalhe de ilustração de Lelis para Buriti Grande. 

2) Para um livro ilustrado ficar pronto é preciso trabalho conjunto de escritor, ilustrador, editor, revisor, designer, gráfico e por aí vai… No caso das ilustrações, elas não são só espelho do texto, elas propõem novas narrativas, lacunas textuais e pontos de vista. Na sua opinião, quais são os desafios da relação autor e ilustrador na construção da narrativa do livro infantil ilustrado?

Acho que ambos devem se entregar ao trabalho para que ele resulte em algo legítimo. No meu entender, meu trabalho deve ser sempre de humildade (no sentido bom da palavra) para aceitar a expressão de outra pessoa e, a partir daí, apresentar minha narrativa. Penso também que quando o inverso disso acontece, temos, aí sim, coesão, unidade, apesar de serem expressões artísticas distintas.


Acima, ilustração de Lelis.

3) Lelis, você é muito conhecido e premiado por suas aquarelas. Aqualelis! Como começou sua história com essa técnica? Ao longo dos anos, como seu jeito de ilustrar foi se modificando?

Quando vim de Montes Claros para Belo Horizonte, nunca havia usado cor em meus trabalhos. Os jornais para os quais trabalhei na minha cidade natal não usavam cor em suas edições. Era um processo rudimentar de impressão e portanto somente eram impressos desenhos em preto e branco. Aqui em belo Horizonte, mais especificamente no jornal Estado de Minas, meu primeiro emprego na capital, o método de impressão já era em cores e portanto tive que me adaptar a isso. No início usava lápis de cor mas a dinâmica do jornal não permitia atrasos e a técnica era muito demorada. Então comecei a usar aquarela. Só que apenas a cor azul. Em pouco tempo, adquiri habilidade com a tinta e com o pincel (que também era para mim uma novidade). Aos poucos fui acrescentando outras tonalidades à minha paleta. Aliado a essa busca pelo domínio da aquarela, também comecei a estudar mais meu desenho, criar composições e consolidar meu estilo. Para isso, o treino nas redações de jornais pelos quais passei me ensinaram a ter disciplina, rapidez de raciocínio e de execução, além é claro, de ter trabalhado sempre ao lado de grades artistas. Todos esses fatores colaboraram para o artista que sou hoje.



Acima, ilustração de Lelis para "Hortênsia das Tranças", livro de sua autoria.

4) Você é de fazer muitos e muitos esboços e testes ou já chega até a superfície em branco com uma certa clareza de como preenchê-la? Como é seu processo criativo ao ilustrar?

Todo o trabalho requer muito estudo. Quando ilustro meus próprios livros ou de outros autores, preciso me inserir naquele texto, naquele ambiente. É quase como se eu fosse um  figurante, que está ali para observar. A partir daí, começo a extrair imagens em um papel simples mesmo, usando lápis e borracha. Às vezes faço dois esboços da mesma cena, mas é mais comum trabalhar com um só. Depois de estruturar todo o desenho, o transfiro para o papel de aquarela usando uma mesa de luz. Ali, retiro os traços principais. Fixo esse papel em uma prancha de madeira e começo a pintar.


Acima, ilustração de Lelis.


           

Acima, vídeo do Estado de Minas onde os ilustradores Lelis e Quinho recriam a capa da obra Grande Sertão Veredas.


5) Como é seu local de trabalho? Envia uma foto para a gente! :)

Moro em Lagoa Santa. É um sossego só. Na janela do meu ateliê há um pé de pequi, árvore típica do cerrado. 




________________


Data: 10/06/2017 (sábado)
Horário: A partir das 10h
Local: Biblioteca Pública Infantil e Juvenil/ Centro de Referência da Juventude (Praça da Estação-BH)

Programação: 
~ oficina de aquarela para crianças | 10h 
~ contação de histórias com Alessandra Visentin | 11h 
~ sorteio de kits da Aletria
~ mesa de delícias da roça

Sobre "Buriti Grande":
O livro traz uma nostálgica história narrada em primeira pessoa por uma garota que viveu a sua infância na casa dos avós. Descrevendo detalhes da sua rotina na fazenda, a narradora apresenta ao leitor a vida simples no interior. A narrativa, de tal modo envolvente, desperta a memória afetiva e sensorial do leitor, fazendo com que seja capaz até de imaginar/sentir os cheiros e sabores daquele lugar tão especial. Uma obra para nos lembrar da importância de se viver uma infância livre, com tempo para aproveitar os momentos, sem ansiedade e afazeres urbanos, ouvindo os sons da natureza ou uma boa história. O texto de Marismar Borém é lindamente ilustrado pelo premiado artista Lelis.




Voltar