LER É RESISTIR! Precisamos romper o silêncio

Publicado: 29/09/2017

LER É RESISTIR

A arte – e isso inclui a literatura – é essencial na construção do pensamento crítico. Por meio da arte, dos livros, da ficção, crescemos conscientes de quem somos, condição primordial para enxergarmos o que os outros também são.

Raquel Matsushita

 

Depois de alguns anos de investimento em políticas de fomento à leitura, o Brasil se vê em um momento de desmonte da cadeia produtiva do livro. A suspensão de importantes programas de incentivo à leitura e o congelamento dos investimentos em educação e cultura denunciam a desvalorização da literatura no país.

Preocupados com esse cenário, que prejudica não só os profissionais do livro – editores, livreiros, autores, mediadores – mas também (e principalmente) o futuro da formação de crianças e jovens no país, um grupo de atores do livro idealizou o Movimento LITERATURA E RESISTÊNCIA.

Fruto da inquietação de seus idealizadores, que vêm de diferentes lugares do mercado editorial – a editora Daniela Padilha, as ilustradoras e escritoras Rosinha e Aline Abreu e a livreira Gislene Gambini, proprietária da Livraria NoveSete –, o Movimento nasceu da ideia de fazer uma manifestação artística que reivindique a valorização das artes e da literatura no Brasil.

Para dar início ao Movimento, será realizada uma exposição que reúne ilustrações originais de 40 artistas. A mostra fica em cartaz até o dia 04 de fevereiro na livraria NoveSete (Rua França Pinto, 97 – Vila Mariana – São Paulo/SP).

O Instituto Cultural Aletria parabeniza os idealizadores pela iniciativa e se soma ao movimento. Precisamos romper o silêncio e nos posicionar em defesa do livro, da leitura e da literatura no Brasil.

 

Leia abaixo o manifesto do movimento:

Carta-manifesto

Uma das trágicas consequências do golpe parlamentar sofrido pelo país é a desarticulação da rede de literatura para crianças e jovens. Seja pela diminuição ou enfraquecimento dos eventos do livro, pelo fechamento de várias editoras e livrarias, pela extinção ou deformação das políticas de acesso ao livro com encerramento de atividades ou privatizações de bibliotecas públicas, pelo deslocamento dos profissionais para outras áreas, ou ainda, e talvez principalmente, pelo silêncio dos atores que compõem a cadeia do livro.

Esse silêncio precisa ser urgentemente rompido.

A ideia é fazer uma manifestação artística, com exposição e encontro com os ilustradores, que tenha como tema a Literatura e Resistência, agindo como uma ação provocadora do encontro desses atores.

O evento acontecerá na Livraria NoveSete. No sábado, dia 30 de setembro, junto à abertura da exposição, haverá uma conversa com o público. Na mesa, as idealizadoras do Movimento, Daniela Padilha, Rosinha, Aline Abreu, Gislene Gambini, e convidados, conversarão sobre o tema Como resistir? A cadeia produtiva dos livros de literatura.

Os originais expostos estarão à venda. Parte da renda financiará custos do movimento, como reprodução de cartazes, desenvolvimento de materiais para divulgação, entre outros.

As ações desse movimento são coletivas. Não há uma pessoa responsável, mas um grupo em busca de aproximações e diálogo entre ilustradores, escritores, mediadores de leitura, editoras e livrarias independentes.

Vamos em frente!



Voltar