Minas das Múltiplas Gerais | Aletria

Minas das Múltiplas Gerais

Publicado:

Um poema de Maria Célia Nunes



Que Minas é essa, que abriga tantas Gerais?

 

Com calor e respeito, acolhe o mineiro.

Abre a casa e coração por inteiro.

Café coado na horinha,

servido com tenra broinha,

junto de nosso maior xodó,

o pão de queijo  quentinho,

famoso no mundo inteiro

e divulgado, sem  censura,

pela tamanha gostosura.

 

Aqui, com  prazer  se estica  prosa.

Nada falta, tudo se ajeita e entrosa.

Tem piada regada a pinga  boa

causos, cantoria, contos de arrepiar,

prá gerar diversão e a noite alegrar.

Tudo leva o toque de amor e poesia,

Coisas simples, feitas com cortesia.

 

Em Minas, a fala é diferente.

Não precisa dizer  tudo,

um tiquim, já é suficiente.

Uai, trem bão,  moço

Já vale convite pro almoço

A casa é bem ali, sô, pirtim,

O custoso é chegar lá ligerim

 

Mas, aqui vai uma alerta.

Fique viva e bem esperta.

Não faça pouco do  mineiro.

Não há  povo mais matreiro.

Quem fizer  um quiproquó,

num vai ter jeito de escolher,

vai parar no cafundó

ou mofar no xilindró.

 

Minas possui  riquezas,

sob suas naturais belezas,

diamante, esmeralda e ouro.

Cobiçado e valioso tesouro

 

Tem cidades que contam História,

Fatos vividos de nossa trajetória.

Houve disputa, rebelião e luta,

Enfrentadas com garra e força bruta

Contra quem quis nos dominar,

Pras nossas riquezas vir explorar.

Aí, apareceu um sujeito valente

Dentista prático, militar de baixa patente

Bravo herói de nome Tiradentes,

Líder famoso dos tais Inconfidentes

 

Em Minas, Estado de montanhas,

Corre entre as suas entranhas

o Velho Chico, rio fundamental,

por seu papel na integração  nacional.

Às margens, tem carrancas  medonhas,

 Amuletos ancestrais de proteção

aos moradores e canoeiros da região.

 

Minas tem folclore rico e bem diverso,

Contado e cantado em prosa e verso.

Folia de Reis, Cavalhada e Congado,

cortejo musicado, em ritmo compassado.

Festa do Divino e da Senhora do Rosário

Procissão e reza, prá cumprir o calendário

 

Minas tem seu jeito de agradar e encantar

Destaque nas Artes, Música e Literatura,

Ballet do Grupo Corpo, pura formosura,

Clube da Esquina, que a todos fascina,

Ricas esculturas do  Mestre Aleijadinho,

Entalhe barroco, no jeito de cada anjinho.

 

Minas das múltiplas gerais,

províncias e centros urbanos,

conta histórias de dor e danos,

gerados pela volúpia, ganância

de empresas e seres humanos.

 

O que  vale é o lucro, o dinheiro,

Acima da vida do próprio mineiro.

Mariana, Brumadinho, tantos outros

focos de predatória exploração,

desmatamento, morte e destruição.

Crimes  jamais apagados  da  memória,

por  constar, nos anais de nossa História.

 

Minas é dentro e fundo,

 Entre montanhas, aninha seu mundo.

Já dizia o poeta Drummond.

Possui  um rico universo de enredos,

Guardados, como se fossem segredos,

Incrustados, no ferro de seus rochedos.

 

Minas comemora aniversário

Completa o terceiro centenário.

Teria prosa, cantos e dança

Histórias e farta comilança

Festejos de pura alegria

Aí chegou a cruel pandemia,

E milhares de vidas sacrificou.

 

A  fé do mineiro não se abalou,

Prá nossa padroeira apelou.

Senhora da  Piedade, acuda o mineiro,

Povo fervoroso, trabalhador e altaneiro.

 

Em Minas, a esperança nunca morre.

Gente brava  jamais foge à luta

Sempre se mantém  na disputa,

Mesmo contra o inimigo invisível,

Por mais que ameace e pareça terrível.

Voltar