Nós de Axé na Alemanha | Aletria

Nós de Axé na Alemanha

Publicado: 28/02/2020

Livro foi elegido para ser trabalhado em campo de refugiados

Neste fevereiro de 2020, o livro Nós de Axé, da escritora sebastianense Janaína de Figueiredo, com ilustrações de Paulica dos Santos, foi escolhido para ser trabalhado em um projeto desenvolvido na Alemanha pela BOB Campus, instituição privada ligada à Fundação Montag. Com sede em Bonn, a Fundação, sem fins lucrativos, tem como princípio e objetivos atuar de forma responsável em diversas comunidades, através dos projetos Fundação Montag para a Juventude, Fundação Montag para Espaços Urbanos e Fundação Montag para Arte e Sociedade. Dentro desses eixos, a BOB Campus é um dos projetos financiados e desenvolvidos na unidade  Wuppertal-Oberbarmen.


Uma das ações organizadas no espaço da Bob Campus é o BOB Kulturabend, voltado à promoção de encontros entre culturas e grupos étnicos. E no dia 7 de fevereiro, o tema desse encontro foi o Brasil.


A curadora do evento, Suilian Richon, propôs utilizar as ilustrações de Paulica dos Santos e a história da Fitinha do Bonfim, recriada pela escritora Janaína de Figueiredo, para conduzir essa discussão afropoética. Nas palavras de Suilian Richon: “Mostramos um Brasil que amamos, um Brasil da diversidade, sem clichês e com um toque de axé.”


Para a autora Janaína de Figueiredo, esse evento foi de extrema importância. “É muita felicidade ver esse livro, feito com tanto carinho, representar o Brasil. Esperamos que com isso o Nós de Axé ganhe a Alemanha e o mundo”, afirmou ela.



Na Argentina

Janaína contou ainda que a história da menina e suas fitinhas do Senhor do Bonfim está também sendo usada em Buenos Aires, na Argentina. Em julho, a Revista Aquelarre de Literatura  Infantil y Juvenil, ligada à Universidade Nacional de Rosário e especializada em literatura infantil, recebe Janaína para um bate-papo sobre o livro e lançamento de número.


***



Nós de Axé

A fita, mais que uma simples fitinha, é uma janela para conhecer a Bahia, a festa e a lavagem da escadaria do Senhor do Bonfim. Ela me faz lembrar da história de meus avós, meus bisavós, tataravós, da minha própria história, enfim. Seu poder é muito, mas muito antigo. Pode-se fazer pedidos para ela e amarrá-la nos portões da igreja do santo.


O tempo, apenas ele, tem o poder de realizar aquilo que se pediu. E quando a pulseira cai, a sorte lhe acena.

Voltar