PNLD 2020 para 6º e 7º ano: “Salopão, um jumento do sertão” | Aletria

PNLD 2020 para 6º e 7º ano: “Salopão, um jumento do sertão”

Publicado:

Conheça obra aprovada no PNLD 2020 para 6º e 7º ano - Código:0007L20601


“Salopão era um jumento criado como menino. Atendia pelo nome, era obediente e fino”.

É assim que somos apresentados a Salopão, um jumento corajoso, inteligente e muito fiel, mas que tem o azar de parar nas mãos de um “novo dono” que não reconhecia o seu valor. A saga desse jumento “amigo e genuíno” é contada em cordel pelo professor Fernando Limoeiro e ilustrada com xilogravuras pelo mineiro Tales Bedeschi no livro “Salopão, um jumento do sertão”, da Editora Aletria.

A obra foi selecionada pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) 2020 para alunos do 6º e 7º ano. Além de oferecer uma narrativa divertida e atrativa, o livro é uma ótima oportunidade de trabalhar com os alunos o gênero literário Poesia e também o Cordel, que é um texto de tradição popular.


Além disso, esse é um cordel que pode ser facilmente adaptado para teatro e merece ser encenado nas escolas! O texto retrata uma comédia de costumes e traz uma oportuna reflexão sobre a modernidade a qualquer preço que avança sobre as culturas do interior brasileiro, levando os jovens a adotarem hábitos nocivos.

“Salopão, um jumento do sertão” é uma obra amada pelos jovens e reconhecida internacionalmente: em 2016 foi selecionado pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) para compor o Catálogo da Feira de Bolonha, umas das mais importantes feiras de literatura infantojuvenil.

Ficou interessado? Veja abaixo outros conteúdos sobre o livro:

Manual do Professor

Clique aqui para baixar



Depoimento

A editora da Aletria, Rosana de Mont’Alverne, fala sobre a obra “Salopão, um Jumento no Sertão”, obra aprovada no PNLD.

Vídeo de inspiração

“Salopão, um Jumento no Sertão” é um cordel que pode ser facilmente adaptado para teatro e merece ser encenado nas escolas! Veja vídeo de declamação do poema, feito pelo contador de causos, Xibil Ramos.



Voltar