Uma história para ler e sair mais em paz | Aletria

Uma história para ler e sair mais em paz

Publicado:



Houve uma época em que as pessoas seguiam os ritmos da terra, a trajetória do sol e a dança do tempo.

Agora, em vez disso, tinham casas e mal se moviam durante a maior parte do ano. Quase não olhavam mais para o céu, e, para muitos, o mar e as estrelas estavam longe, muito longe. Dizia-se que tinham assentado e que nunca mais seriam errantes.

Mas no fundo de seus corações, bem lá dentro, sabiam que a mudança estava sempre presente, e o que parecia quieto só ficava assim por um instante…

----


Agora ao fim do mês, chegou à nossa estante O dia de ir e vir. Publicado originalmente pela Fragmenta Editorial, da Espanha, o livro possui textos de Alain Allard e ilustrações de Mariona Cabassa.


Repare na imagem acima a contraposição entre os dois personagens, um para a esquerda e outro para a direita, um sol, outro lua. É sobre os dualismos essa história. Através da prosa poética, o texto celebra o movimento e as contraposições necessárias ao equilíbrio e ao movimento do mundo, enquanto conta uma fábula sobre nômades e tribos.


É como se cada página das ilustrações de Mariona e dos textos de Alain dissesse assim: calma, tudo flui





O suíço Alain Allard estudou Filosofia e Psicologia em Oxford, é especialista em movimento consciente e hoje atua como psicoterapeuta. Mariona Cabassa, catalã, é ilustradora e ex-aluna de Alain, com quem aprendeu a mesclar a paixão pela dança, pela natureza e pelo desenho. Ela também dirige o estúdio de artes gráficas The Invisible CirclePara a edição da Aletria, o livro contou com a tradução sensível de Lizandra Magon de Almeida, da Pólen.




O dia de ir e vir é indicado para o "leitor em processo", aquele que já domina o mecanismo da leitura, com maior ou menor facilidade, e gosta de textos que estimulam insights e reflexões. Deleite para pequenos e grandes, certamente.


Até a próxima, leitora e leitor Aletria!




    


Allain Allard (esquerda), Mariona Cabassa (centro) e Lizandra Magon de Almeida (direita)





Voltar